quarta-feira, 31 de julho de 2013

Tráfico de Drogas:Dois jovens baleados no Banco Raso

Léo do Banco Raso ameaçou fazer justiça com as próprias mãos Foto: Oziel Aragão
Léo do Banco Raso ameaçou fazer justiça com as próprias mãos Foto: Oziel Aragão
Isaque Teles diz que atiraram para matar ele mesmo Foto: Oziel Aragão
Isaque Teles diz que atiraram para matar ele mesmo Foto: Oziel Aragão
Dois jovens foram baleados no bairro Banco Raso, na Rua Beira Rio, em Itabuna, no final da manhã desta quarta-feira (31). Segundo as vítimas, os atiradores chegaram deflagrando em direção a eles, um sendo acertado debaixo do braço e o outro na perna. Os rapazes foram identificados como Anderson Leandro de Souza, “Léo Ciclony” , 26 anos, e Isaque Teles de Alcântara,  o “Delegado”, 21 anos, porém.
Ambos deram entrada no Hospital de Base sem riscos de morte. “Agora vou matar mesmo, ninguém da jeito”, disparou Léo do Banco Raso.
"Não devo nada", nega o acusado Foto: Oziel Aragão
“Não devo nada”, nega o acusado Foto: Oziel Aragão
“Eu amo meu pai, mas não aguento mais fazer sexo com ele”, assim uma adolescente de 17 anos, começou o depoimento a delegada de plantão Lisdeile Nobre,nesta terça-feira (30). A estudante vinha sendo abusada pelo padrasto há 4 anos, segundo a polícia. O acusado foi preso na tarde de ontem, após um inicio de linchamento no bairro Daniel Gomes, em Itabuna. Trata-se do Carlos Henrique Martins, de 40 anos.
Em entrevista ao Plantão Itabuna, ele nega e afirma que não está entendendo as acusações, pois nunca praticou nenhum ato de violência sexual. “Rapaz, eu amo minha filha, o que eu mais quero agora é abraçar ela”, diz o acusado.
A polícia teve certeza da violência após a vítima recordar com riqueza de detalhes os abusos praticados pela padrasto. Além disso, a delegada informa que, para a vítima ter coragem de denunciar o indivíduo, realizou um verdadeiro esquema de guerra. “Ela saiu para escola, denunciou o caso a um professor, depois foi levada para o Conselho Tutelar, até chegar aqui. Esses casos são assim mesmo, demora para a pessoa agredida ter coragem de denunciar”, informa a policial.
A jovem ainda recordou de mensagens que ele enviava para ela, dizendo horários que iria acontecer o abuso. Segundo a polícia, ele aproveitava sempre que esposa saía pela manhã. “Uma das coisas que ele tinha medo era dela engravidar, por isso passou a usar camisinha”, informa.
A vítima estava sendo procurada pelo próprio padrasto há três dias, pois ele mesmo colocou um retrato falado dela na imprensa. Segundo ele, estava desesperado pelo que poderia ter acontecido, na cadeia ele disse: “Sabe qual a minha vontade agora, é de abraçar ela”, diz.
Por: Oziel Aragão

Nenhum comentário:

Postar um comentário